quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Perdoai-me, Senhor, meu pecado!

O Reino de Deus leva-nos para a graça sobrenatural!

Se não olhamos o Reino de Deus com olhar do sobrenatural, da graça, não somos agraciados. "Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares. E ali não pôde fazer milagre algum". (Marcos 6,4-5).
Jesus não foi acolhido entre os Seus parentes, aqueles que eram mais próximos d'Ele. Quando Jesus não foi acolhido? O Evangelho mostra que, no sábado, Jesus começou a ensinar na sinagoga e muitos que O escutavam, ficaram admirados com a sabedoria, com aquilo que saia d'Ele. Muitos que escutavam Jesus podiam, de fato, serem transformados pela graça, entretanto, muitos, inclusive Seus parentes, pararam nas objeções da razão, pararam nos questionamentos humanos, não se deixaram conduzir pela graça e, por essa razão, não experimentaram a graça de Deus; a presença d'Ele; não experimentaram aquilo que Ele veio trazer.
Os parentes de Jesus ficaram escandalizados, porque olharam para Ele apenas de forma humana, não viram ou não se abriram para enxergar o sobrenatural que estava n'Ele.
Muitas vezes, não experimentamos a graça de Deus em nós, porque estamos olhando o Reino de Deus apenas pela ótica humana e natural. Fica tudo tão natural para nós: "Eu conheço o padre. Eu conheço aquela pessoa da igreja", e começamos a olhar as coisas apenas de forma humana. Começamos a criticar, a ver os defeitos, os problemas; não enxergamos a graça e ela não chega até nós. Não é porque a graça não está, é porque não estamos olhando as coisas na ótica do sobrenatural, e assim, as conversas, as objeções que fazemos são sempre de ordem humana.
Somos humanos, mas, a nossa humanidade é transformada, tocada, agraciada pela presença divina de Deus no meio de nós. Se não olhamos o Reino de Deus, com olhar do sobrenatural, da graça, não somos agraciados.
O Reino de Deus está aqui, Jesus está entre nós, mas, se não nos abrimos para enxergar o sobrenatural que vem do Reino, não somos tocados, não somos convertidos e nem absorvemos a graça. Por esse motivo Jesus não pôde fazer muitos milagres, não pôde implantar o Reino de Deus em muitos lugares, e nem na Sua própria terra, mas não porque Ele não quis, e sim porque as pessoas se fecharam, pararam apenas no humano, no natural.
O Reino de Deus leva-nos para a graça sobrenatural.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (31/01/18)

Valorize os talentos de quem vive com você. Uma palavra de ânimo pode fazer a diferença para quem está buscando a sua vocação. Às vezes, não percebemos a genialidade que dorme dentro daquela criança, pode ser um grande pintor, pode ser um músico talentoso, pode ser um matemático ou até mesmo um político, ou quem sabe um professor, pode ser um padre! É possível perceber os talentos já na infância e ajudar aquela criança a encontrar a oportunidade de sua vida. Em Nazaré, Jesus quase não conseguiu fazer milagres porque diziam que Ele era dali mesmo, o que Ele poderia fazer de diferente? Pode haver na sua casa um grande profeta. (Mc 6,1-6)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Quarta-feira da 4ª semana do Tempo Comum

A Igreja recorda hoje a memória de S. João Bosco, presb., +1888, Santa Marcela, viúva, +410, S. Pedro Nolasco, confessor, +1258.

Evangelho (Mc 6,1-6)

Minhas ovelhas escutam minha voz; eu as conheço e elas me seguem (Jo 10,27).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam. Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: "De onde recebeu ele tudo isto? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres que são realizados por suas mãos? Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?" E ficaram escandalizados por causa dele.
Jesus lhes dizia: "Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares". E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. E admirou-se com a falta de fé deles. Jesus percorria os povoados das redondezas, ensinando.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
QUE SABEDORIA É ESSA?
A sabedoria manifestada pelos ensinamentos de Jesus deixava atônito o povo de sua cidade. Seu povo não podia entender como o filho de um carpinteiro, tão conhecido de todos, podia falar com tanta segurança a respeito de coisas elevadas. Outro argumento fundava-se na convivência deles com Jesus e seus parentes, tudo dentro da mais total normalidade, sem nada de extraordinário. Também não constava que Jesus tivesse sido instruído por algum rabino famoso da época. Resultado, recusaram-se a dar crédito às palavras de Jesus. Antes, as puseram sob suspeita.
Efetivamente, o povo de Nazaré não podia valorizar a sabedoria de Jesus por julgá-la a partir de critérios humanos de aquisição de sabedoria. A fonte da sabedoria de Jesus, porém, estava radicada no Pai, cujas palavras proclamava. Não era uma sabedoria adquirida com os meios humanos, nem tinha como ponto de partida concepções humanas. As palavras de Jesus tinham o Pai como origem. Elas eram palavras que o Pai queria dirigir à humanidade. Por isso, era inútil comparar o ensinamento de Jesus com o dos mestres da lei. Havia entre eles uma enorme diferença.
Jesus refez o caminho dos profetas rejeitados na sua própria terra, pelos de sua casa. O discípulo arrisca-se a rejeitar Jesus, se não reconhecer a origem divina de suas palavras.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Inclinai vosso ouvido, ó Senhor, e respondei-me!

Toquemos na graça de Deus!

Permitamos que a nossa alma toque na graça de Deus viva e presente no meio de nós. "'Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença'". (Marcos 5,34).
No Evangelho de hoje vemos duas situações de pessoas que necessitam extremamente da graça de Deus. A primeira situação é a da filha de Jairo que, com 12 anos, ainda uma adolescente, estava praticamente morta. Jairo dizia: "Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela fique curada!".
A segunda situação é a de uma mulher que, há 12 anos, sofria de uma hemorragia crônica. Essa hemorragia fazia dela impura, porque assim era a mentalidade da cultura judaica, e desse modo ela não poderia estar com as outras pessoas. Mas, ela tinha uma convicção: "Se eu tocar na roupa de Jesus, eu ficarei curada".
A fé dessa mulher é a mesma fé que Jairo tinha. Se Jesus tocasse em sua filha, ela ficaria curada. Precisamos tocar em Jesus e precisamos permitir que Ele toque em nós.
Essa mulher venceu as barreiras, os preconceitos, passou por cima de seus próprios medos, temores e receios, foi ao encontro de Jesus e Ele ressuscitou a vida dela. A fé de Jairo [que ao toque de Jesus em sua filha, ela ficaria curada] operou a mesma graça. Jesus tocou e disse a menina: "Talitá cum. Menina, levanta-te!". E ela levantou e ficou restabelecida.
Toquemos na graça, permitamos que a graça de Deus toque em nós. Ouvimos a Deus; ouvimos a palavra d'Ele, mas se não temos a sensibilidade da fé, da graça de Deus; Ele não consegue tocar e curar o nosso coração.
Todas as vezes que tocamos a Palavra de Deus com fé, ela nos cura. Todas as vezes que o nosso coração se abre e se deixa ser tocado, quando sensibilizado pela presença da graça, a Palavra de Deus cura, levanta e restabelece. Experimentemos ser curados pela graça de Deus.
Se nos faltam forças humanas, digamos: "Jesus, eu preciso ser tocado por Ti". Aqui não é o toque das emoções, pelo contrário, é o toque da sensibilidade da alma. Mesmo na secura que a alma possa experimentar, não podemos tirar do Senhor a nossa confiança e a nossa esperança.
Permitamos ser tocados e curados; permitamos que a nossa alma, nosso coração, nossas doenças e enfermidades, tensões e preocupações toquem na orla, no manto, na graça de Deus viva e presente no meio de nós.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (30/01/18)

Nunca perca a esperança; com Deus sempre existe um jeito. Deixe sempre aberta a janela do milagre. Não feche todas as possibilidades, apenas porque a medicina disse que não tem mais jeito; com Deus é possível. Para quem tem fé, não existe a palavra impossível; nós esperamos para além de toda esperança, para além de toda probabilidade e até para além de toda possibilidade. Nós deixamos o milagre nas mãos de Deus, Ele costuma nos surpreender. Quando achamos que realmente não tem mais jeito, Deus entra com Seu toque de vida. (Mc 5,21-43)
Pe. Joãozinho, scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Terça-feira da 4ª semana do Tempo Comum

A Igreja recorda hoje a memória de Santa Batilde, viúva, +680, Santa Jacinta Mariscotti, v., +1640, Santa Martinha, diaconisa, virgem, +226 e Santa Aldegundes, abadessa, +684.

Evangelho (Mc 5,21-43)

Cristo tomou sobre si nossas dores, carregou em seu corpo as nossas fraquezas (Mt 8,17). 
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, Jesus atravessou de novo, numa barca, para a outra margem. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele, e Jesus ficou na praia. Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés, e pediu com insistência: "Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!"
Jesus então o acompanhou. Numerosa multidão o seguia e comprimia. Ora, achava-se ali uma mulher que, há doze anos, estava com hemorragia; tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía, e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais.
Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa. Ela pensava: "Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada". A hemorragia parou imediatamente, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele. E, voltando-se no meio da multidão, perguntou: "Quem tocou na minha roupa?" Os discípulos disseram: "Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: 'Quem me tocou'?"
Ele, porém, olhava ao redor para ver quem havia feito aquilo. A mulher, cheia de medo e tremendo, percebendo o que lhe havia acontecido, veio e caiu aos pés de Jesus, e contou-lhe toda a verdade. Ele lhe disse: "Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença".
Ele estava ainda falando, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, e disseram a Jairo: "Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?" Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: "Não tenhas medo. Basta ter fé!" E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João. Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando.
Então, ele entrou e disse: "Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu, mas está dormindo". Começaram então a caçoar dele. Mas, ele mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina, e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde estava a criança. Jesus pegou na mão da menina e disse: "Talitá cum" — que quer dizer: "Menina, levanta-te!" Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados. Ele recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

DOIS GESTOS DE MISERICÓRDIA - Jesus não se furtava de mostrar-se misericordioso com quem dele se aproximava. Não havia quem recorresse a ele e não fosse atendido. A única condição que exigia era a fé.
A misericórdia de Jesus manifestava-se, fundamentalmente, em forma de restauração da vida. Por isso, sensibilizou-se com o pedido comovente de um pai, cuja filhinha estava à beira da morte. Jesus foi salvá-la, exigindo do pai apenas a fé. A multidão incrédula ridicularizava Jesus por ter afirmado que a menina não estava morta, mas apenas dormindo. Mas, a fé daquele pai não ficou sem resposta. A misericórdia de Jesus devolveu-lhe a filha sã e salva.
Na mesma circunstância, uma mulher que sofria de uma hemorragia, há muito tempo, também recorreu a Jesus, para ser curada. Diferentemente do chefe da sinagoga, ela agiu às escondidas: pensou em ser agraciada, com o dom da cura, sem que Jesus mesmo percebesse. Entretanto, ele não se deixou pegar de surpresa, pois a mulher, já curada, foi obrigada a sair do anonimato.
Jesus não deixou passar em silêncio aquele gesto de profunda fé. Ele mesmo declarou ter sido a fé quem a levara a obter a cura, conduzindo-a à vida, cuja fonte é o próprio Jesus.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Paróquia de Nossa Senhora dos Aflitos.

Agenda de Missas da Matriz de Nossa Senhora dos Aflitos.

☆02/02, às 19h, Missa da primeira sexta-feira do mês de fevereiro e das capelinhas de Nossa Senhora.
☆04/02(Domingo), 7h e 19h, Missa dominical na matriz.

Levantai-vos, ó Senhor, vinde salvar-me!

A pureza nos aproxima de Deus!

Só enxerga o Reino de Deus, quem tem pureza nos olhos, na alma, no espírito; quem tem pureza de intenção. '"Espírito impuro, sai desse homem!' Então Jesus perguntou: 'Qual é o teu nome?' O homem respondeu: 'Meu nome é 'Legião', porque somos muitos'". (Marcos 5,8-9).
Jesus está expulsando os espíritos impuros que estão dominando esse homem. O que, talvez, chame a nossa atenção é que Jesus expulsa os espíritos impuros e os manda para a manada de porcos, que jogam-se ao mar e afogam-se.
Aqueles espíritos impuros eram mais sujos do que os porcos, de tal forma que, atormentam tanto aos porcos que esses jogam-se ao mar.
Deus não nos quer impuros, Ele não quer que a impureza tome conta de nós, que tome conta dos nossos pensamentos, dos nossos sentimentos. A impureza é maldade, ela nos torna maus.
Olhamos as coisas pela ótica da impureza e do mal e, a partir disso, as nossas palavras se tornam maldosas e maliciosas; aquilo que nós fazemos para os outros se torna mal. À medida que permitimos que esses espíritos impuros cresçam em nós, dominando a nossa mente, a nossa vontade, vamos nos tornando pessoas maldosas. Deus não nos quer no mal, Ele nos quer puros.
Talvez alguns tenham uma restrição, uma visão equivocada a respeito da pureza, entretanto, para alguns a "pureza" confunde-se com "puritanismo". A pureza se conjuga com a santidade, com Deus, com o espírito de Deus que está em nós.
"Felizes os puros de coração, porque verão a Deus" (Mateus 5,8). Só vê Deus no meio de nós, só enxerga o Reino de Deus, quem tem pureza nos olhos, na alma, no espírito; quem tem pureza de intenção.
Olhamos para uma criança pequena, quanto mais pequenina ela for, mais vemos nela a pureza de alma, mais contemplamos a presença de Deus. À medida que crescemos, a maldade, a perversão, a malícia e as intrigas do mundo vão entrando em nós, e começamos a agir conforme esses espíritos. Eles nos tornam violentos, dominam a nossa vontade, as nossas inclinações.
Jesus nos quer puros, porque, somente puros nos tornamos parecidos com Deus. Quanto mais os espíritos impuros entrarem em nós, mais desfiguramos a imagem de Deus que está em nós, e ficamos parecidos com esses espíritos.
As legiões estão por aí: a legião de pensamentos desordenados, pensamentos impuros, legião de maldade que as pessoas cometem umas contra as outras. Precisamos em nome de Jesus, na autoridade d'Ele, vencer e expulsar da nossa vida os espíritos que fazem de nós pessoas maldosas e impuras.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (29/01/18)

Existem pessoas excêntricas, exageradas, inoportunas; ser caridoso com elas não significa entrar no jogo de sua loucura. Certa ocasião Jesus andava tranquilamente na beira do mar da Galiléia e de repente apareceu um sujeito estranho, que morava num cemitério, gritava, incomodava as pessoas... a história vai longe, mas o fato é que Jesus liberta aquele homem e não se deixa levar pelo seu jeito de ser. Quando alguém grita conosco, não precisamos responder gritando. O parâmetro da loucura tende a nos contagiar, mas nós não temos a obrigação de sermos loucos com os loucos, apenas de suportar sua loucura. (Mc 5,1-20)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da 4ª Semana do Tempo Comum - Segunda-feira


Evangelho (Mc 5,1-20)

Um grande profeta surgiu entre nós e Deus visitou o seu povo, aleluia! (Lc 7,16).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar, na região dos gerasenos. Logo que saiu da barca, um homem possuído por um espírito impuro, saindo de um cemitério, foi a seu encontro.
Esse homem morava no meio dos túmulos e ninguém conseguia amarrá-lo, nem mesmo com correntes. Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes, mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas. E ninguém era capaz de dominá-lo.
Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras. Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele e gritou bem alto: "Que tens a ver comigo, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Eu te conjuro por Deus, não me atormentes! Com efeito, Jesus lhe dizia: "Espírito impuro, sai desse homem!" Então Jesus perguntou: "Qual é o teu nome?" O homem respondeu: "Meu nome é 'Legiã', porque somos muitos". E pedia com insistência para que Jesus não o expulsasse da região.
Havia aí perto uma grande manada de porcos, pastando na montanha. O espírito impuro suplicou, então: "Manda-nos para os porcos, para que entremos neles". Jesus permitiu. Os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. E toda a manada — mais ou menos uns dois mil porcos — atirou-se monte abaixo para dentro do mar, onde se afogou. Os homens que guardavam os porcos saíram correndo e espalharam a notícia na cidade e nos campos. E as pessoas foram ver o que havia acontecido. Elas foram até Jesus e viram o endemoninhado sentado, vestido e no seu perfeito juízo, aquele mesmo que antes estava possuído por Legião. E ficaram com medo.
Os que tinham presenciado o fato explicaram-lhes o que havia acontecido com o endemoninhado e com os porcos. Então começaram a pedir que Jesus fosse embora da região deles. Enquanto Jesus entrava de novo na barca, o homem que tinha sido endemoninhado pediu-lhe que o deixasse ficar com ele. Jesus, porém, não permitiu. Entretanto, lhe disse: "Vai para casa, para junto dos teus e anuncia-lhes tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti". E o homem foi embora e começou a pregar na Decápole tudo o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
A LIBERTAÇÃO DO MAL - Jesus também manifestou seu poder além das fronteiras de Israel, fazendo os pagãos se beneficiarem da presença do Reino. O gesto de Jesus indicava aos discípulos os caminhos que teriam pela frente, no seu afã missionário. O evangelho deveria ser levado até os pagãos.
O encontro com um homem possuído pelo espírito imundo não assustou Jesus. Impressiona seu alto grau de insociabilidade. Sua condição era apavorante! Porém, mesmo em terras estrangeiras, o espírito imundo reconheceu ser Jesus o Filho do Deus Altíssimo, que veio para atormentá-lo. E Jesus, como sempre, veio em socorro daquela pobre criatura, compadecido dela, para libertá-la de sua terrível escravidão.
O pedido da legião de espíritos para entrarem na manada de porcos indica que seu lugar de moradia não é o ser humano, mas, sim, o mundo da impureza, simbolizado pelos animais impuros. Os porcos, porém, se lançam no mar, símbolo das forças incontroladas do mal, significando que, pela ação de Jesus, o poder do mal foi aniquilado. Liberto do poder do mal, o homem retomou a convivência social, para espanto de muitos.
A reação do povo do lugar foi de rejeição a Jesus. Sua presença poderia arruinar a economia local. Eles o expulsaram para defender seus interesses. Porém, o homem liberto se encarregou de proclamar as grandes coisas que Jesus fez por ele.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Anunciai entre as nações os grandes feitos do Senhor!

Precisamos reacender a chama da graça que está em nós!

Deus acende a graça da chama em nós, temos que cuidar para que essa chama não se apague. "Por este motivo, exorto-te a reavivar a chama do dom de Deus que recebeste pela imposição das minhas mãos. Pois Deus não nos deu um espírito de timidez mas de fortaleza, de amor e sobriedade". (2Tm 1,6-7).
Hoje celebramos os santos Timóteo e Tito; bispos, discípulos de Paulo e, acima de tudo, seguidores de Nosso Senhor Jesus Cristo. Paulo escreveu duas cartas a Timóteo e uma a Tito, ricas em ensinamentos para a nossa vida cristã. Encontramos, tanto em uma carta como na outra, Paulo exortando, reanimando, dando vida a esses seus dois companheiros para que se mantivessem firmes na pregação do Evangelho, para que não deixassem apagar a chama da graça de Deus, que um dia o próprio Paulo acendeu no coração deles.
Essa é a nossa missão: Deus acende a graça da chama em nós, a chama do Espírito. Temos que cuidar para que essa chama não se apague, porque vêm muitos ventos contrários, e eles não têm mais força do que a graça de Deus.
Muitas vezes cedemos aos ventos contrários, não aquecemos, não inflamamos o fogo da graça de Deus que está em nós. Passamos por muitas tribulações, situações difíceis na vida; passamos por tempestades na vida, mas é aí que precisamos da graça. Não é para passar pela tempestade com a chama apagada, não é para passarmos pelas tribulações esmorecidos, tristes e desanimados.
Quando passamos por momentos difíceis na vida precisamos reacender, ainda mais, a graça de Deus que está em nós. Paulo não queria que seus discípulos, Tito e Timóteo, desanimassem da missão evangélica que lhes foi confiada.
Deus não nos quer desanimados, Ele quer que essa chama esteja tão viva, acesa em nós. Mas, também, deseja que reacendamos naqueles os quais deixaram essa chama se apagar. Que a chama da graça esteja viva, acesa no coração de cada um de nós.
Não sejamos causa de desânimo, sejamos causa de ânimo para os nossos irmãos. Não permitamos desanimar e nem desanimemos a ninguém no seguimento de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (26/01/18)

A paz é um dom que cresce quando o partilhamos. Os pacíficos vivem na simplicidade itinerante e feliz. Quando saímos pelas estradas, pelas ruas, praças, pelas casas das pessoas e visitamos alguém, levamos juntos o nosso olhar, o tom da nossa voz e vamos num passo firme, mas com paciência, que é a ciência da paz. Os missionários da paciência são gente que caminha devagar e sempre e vencem toda violência e instauram um círculo virtuoso da serenidade, da tranquilidade, da paz. (Lc 10,1-9)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da 3ª Semana do Tempo Comum - Sexta-feira

A Igreja recorda hoje a memória dos Santos Roberto, Alberico e Estêvão, abades cistercienses (séc. XI-XII), S. Tito, b., séc. I, S. Timóteo, b., séc. I, Santa Paula, viúva, +404

Evangelho (Lc 10,1-9)

O Espírito do Senhor repousa sobre mim e enviou-me a anunciar aos pobres o Evangelho (Lc 4,18).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.

Naquele tempo, o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. E dizia-lhes: "A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias, e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: 'A paz esteja nesta casa!' Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: 'O Reino de Deus está próximo de vós'".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
As instruções dadas por Jesus aos 72 discípulos servem para todos os batizados de nosso tempo. O Reino de Deus é grande e precisa de operários que, com atitudes, transformem os medos em esperança. Carecemos de servidores comprometidos com o Evangelho, que não pensam em si, mas sentem o desejo de transcender este mundo com a luz de Cristo. O despojamento é consequência da resposta ao Cristo que chama. Rezemos para que os que ainda dormem no sono do acomodamento despertem para evangelizar. Orar e trabalhar pelas vocações é um compromisso de todos. 

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Ide por todo o mundo, a todos pregai o evangelho!

O Cristo que chamou Paulo de Tarso a dedicar-se à causa da evangelização é o mesmo que hoje nos chama a servi-lo na Igreja e na causa dos pobres e desvalidos...

Um convertido deixa-se iluminar por Jesus!

Um convertido é aquele que coloca-se de joelho, é alguém que coloca-se aos pés de Jesus. De repente uma grande luz que vinha do céu brilhou ao redor de mim. Caí por terra e ouvi uma voz que me dizia: 'Saulo, Saulo', por que me persegues? (At 22,6-7).
Hoje celebramos a conversão do apóstolo Paulo. Ele mesmo testemunha que perseguia até à morte aqueles seguiam o caminho; ele prendia homens, mulheres e os jogavam na prisão, porque seguiam o caminho. Que caminho? O caminho da vida, da salvação, o caminho que Jesus nos abriu e Ele mesmo disse: "Eu sou o caminho, eu sou a vida".
Quando Paulo perseguia os seguidores de Jesus, quando ele prendia e levava até à morte aqueles que estavam no caminho de Jesus, como Estêvão, ele estava, na verdade, perseguindo o próprio Jesus, estava opondo-se a Ele, e depois, veio a tornar-se o maior convertido de todos os tempos.
Paulo já era um homem adulto, muito convicto, com uma cabeça muito fechada, muito centrada, muito certo de que a mensagem do Evangelho não era de Deus e, por isso, perseguia. Mas Paulo não refletia, não caiu em si, deixou-se levar por uma obsessão, por uma convicção e não permitiu que a luz de Deus entrasse em seu coração.
Só há conversão verdadeira quando nos abrimos à reflexão, à serenidade, para deixar que caiam as escamas dos nossos olhos e, assim, vermos o que não conseguimos.
A luz de Deus quer entrar no nosso interior, para nos dar convicções que, muitas vezes, não temos. Fomos ao longo do tempo aprendendo coisas, abraçando certas verdades, e não nos abrimos para a verdade que é Jesus.
Converte-se é colocar-se sempre aos pés de Jesus, é sempre cair por terra. Um convertido é aquele que coloca-se de joelho, é alguém que coloca-se aos pés de Jesus. Um convertido não é aquele que sabe falar bem, tem muitas convicções, prega o tempo inteiro, e sim, aquele que deixa-se iluminar por Jesus a cada dia de sua vida.
Paulo era um homem muito religioso, mas não era um homem convertido. Não basta ser religioso, é preciso deixar-se converter a cada dia pela luz de Deus, aquela que ilumina o nosso coração, a nossa mente e as nossas convicções.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (25/01/18)

Tenha sempre uma boa notícia para anunciar. Nunca fique refém do pessimismo. A esperança é o ponto final da frase de quem tem fé; a vírgula pode ser até uma advertência, por exemplo: "A situação política não está boa, porém, nós vamos encontrar uma solução." O ponto final é a esperança. Se você inverter a ordem dos fatores, muda tudo: " Pode ser que exista uma esperança, mas realmente, a corrupção não tem jeito." O ponto final é o pessimismo. Quem tem fé coloca as vírgulas no lugar certo, está consciente da realidade que não vai tão bem, mas no final, acredita que a esperança não decepciona. (Mc 16,15-18)
Pe. Joãozinho, scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Conversão de São Paulo, apóstolo, festa.

Evangelho (Mc 16,15-18)

Eu vos designei para que vades e deis frutos e o vosso fruto permaneça, assim disse o Senhor (Jo 15,16).
+ Proclamação do Evangelho segundo São Marcos 16,15-18

Naquele tempo, Jesus se manifestou aos onze discípulos, e disse-lhes: "Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. Os sinais que acompanharão aqueles que crerem serão estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal não lhes fará mal algum; quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

IDE PREGAR O EVANGELHO - A Igreja recebe de Jesus o poder de anunciar o Evangelho. Ele instruí os que escolheu e recomenda serem testemunhas das maravilhas de Deus. O discipulado desenvolve-se com base na confiança e no serviço. Conscientes de que Deus unge para o bem, nenhuma tribulação pode separar o que Deus estabeleceu. Somos discípulos de Cristo, chamados a ser sinal de Deus para os que sofrem e ainda não encontraram o significado da vida. Gestos simples de amor podem salvar muitas almas. O extraordinário é sairmos de nosso conforto e respondermos ao querer de Deus. "Ai de mim se eu não evangelizar".

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Guardarei eternamente para Ele a minha graça!

A Palavra de Deus é semeada no nosso coração!

Render-se à Palavra de Deus é o caminho da transformação e da luz, para a vida de cada um de nós. "O semeador semeia a Palavra. Os que estão na beira do caminho são aqueles nos quais a Palavra foi semeada; logo que a escutam, chega Satanás e tira a Palavra que neles foi semeada". (Marcos 4,14-15).
A grande graça é esta: o Reino de Deus, a Palavra de Deus é semeada no nosso coração, acolhemos essa Palavra. Você está (lendo a esse texto), escutando a mim ou me vendo agora, porque está acolhendo a Palavra de Deus. Não semeio outra palavra ao seu coração, sem ser a Palavra de Deus.
Quando acolhemos, guardamos e meditamos a Palavra, ela cai no nosso coração, começa a crescer, produzir frutos e mudar a nossa vida. Escuto testemunhos de pessoas que dizem: "Padre, eu escutei, meditei o Evangelho e comecei a transformar a minha vida, e sou testemunho diante de muitos que conheço, que acolhem a Palavra de Deus com serenidade". Com essa seriedade e profundidade, a Palavra começa a transformar a nossa vida.
As pessoas querem os nossos conselhos, as nossas orientações, querem uma direção para a vida delas, mas toda e qualquer direção que possamos dar para direcionar a nossa vida ou a de outras pessoas, vem da Palavra de Deus. Render-se à Palavra de Deus, colocar-se para viver essa Palavra, é o caminho da transformação e da luz, para a vida de cada um de nós. Temos que prestar atenção no seguinte aspecto: a Palavra de Deus está nos dizendo que satanás tira a Palavra que foi semeada em nosso coração, então, fiquemos atentos e não deixemos que a Palavra seja roubada!
Às vezes, você escuta todos os dias o Evangelho, medita a Palavra de Deus, mas as distrações, preocupações, tensões, as situações que vivemos na vida: roubam, esmagam, sufocam, retiram a graça da Palavra de Deus do nosso coração.
Não nos deixemos levar pelas preocupações, pelas ilusões do mundo. Não nos deixemos levar pelos prazeres do mundo, para que a Palavra de Deus não perca a força transformadora que exerce em nossa vida, e em nosso coração.
Deus quer que a Sua Palavra produza frutos na nossa vida; trinta por um, setenta por um, cem por um; aqui não importa a quantidade, e sim que nós cuidemos para que a Palavra de Deus seja cultivada, e assim, possamos colher muitos frutos, porque a Palavra de Deus é vida eterna para nós.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (24/01/18)

Escutar com os ouvidos é importante, mas com o coração é fundamental. Esteja aberto à voz do outro até quando ele não fala. Escute os gritos do silêncio. Lá no Antigo Testamento Deus diz: "Shemah, Israel!" Que significa: "Escuta, meu povo!" Para chegar ao "shalon", que é esta paz de um equilíbrio vital, de uma harmonia total, é preciso começar pelo princípio fundamento da escuta, estar aberto; escutar com os ouvidos, mas também com o olhar, com o tato, com todos os sentidos, todo o nosso ser é capaz de escutar e escutar a palavra de Deus que sempre nos fala. (Mc 4,1-20).
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Quarta-feira da 3ª semana do Tempo Comum

A Igreja recorda hoje a memória de São Francisco de Sales, bispo, Doutor da Igreja, +1622, do Beato Timóteo Giacardo, presbítero e Nossa Senhora da Paz.
 
Evangelho (Mc 4,1-20)

Semente é de Deus a palavra, Cristo é o semeador; todo aquele que o encontra, vida eterna encontrou..
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, Jesus começou a ensinar de novo às margens do mar da Galileia. Uma multidão muito grande se reuniu em volta dele, de modo que Jesus entrou numa barca e se sentou, enquanto a multidão permanecia junto às margens, na praia.
Jesus ensinava-lhes muitas coisas em parábolas. E, em seu ensinamento, dizia-lhes: "Escutai! O semeador saiu a semear. Enquanto semeava, uma parte da semente caiu à beira do caminho; vieram os pássaros e a comeram. Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra; brotou logo, porque a terra não era profunda, mas, quando saiu o sol, ela foi queimada; e, como não tinha raiz, secou. Outra parte caiu no meio dos espinhos; os espinhos cresceram, a sufocaram, e ela não deu fruto.
Outra parte caiu em terra boa e deu fruto, que foi crescendo e aumentando, chegando a render trinta, sessenta e até cem por um". E Jesus dizia: "Quem tem ouvidos para ouvir, ouça". Quando ficou sozinho, os que estavam com ele, junto com os Doze, perguntaram sobre as parábolas. Jesus lhes disse: "A vós, foi dado o mistério do Reino de Deus; para os que estão fora, tudo acontece em parábolas, para que olhem mas não enxerguem, escutem mas não compreendam, para que não se convertam e não sejam perdoados".
E lhes disse: "Vós não compreendeis esta parábola? Então, como compreendereis todas as outras parábolas? O semeador semeia a Palavra. Os que estão na beira do caminho são aqueles nos quais a Palavra foi semeada; logo que a escutam, chega Satanás e tira a Palavra que neles foi semeada. Do mesmo modo, os que receberam a semente em terreno pedregoso, são aqueles que ouvem a Palavra e logo a recebem com alegria, mas não têm raiz em si mesmos, são inconstantes; quando chega uma tribulação ou perseguição, por causa da Palavra, logo desistem.
Outros recebem a semente entre os espinhos: são aqueles que ouvem a Palavra; mas quando surgem as preocupações do mundo, a ilusão da riqueza e todos os outros desejos, sufocam a Palavra, e ela não produz fruto. Por fim, aqueles que recebem a semente em terreno bom são os que ouvem a Palavra, a recebem e dão fruto; um dá trinta, outro sessenta e outro cem por um".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
A parábola do semeador é um resumo de nossa vocação humana. Semear é gerar vida. As sementes podem cair em vários terrenos, dependendo da condição a que foram submetidas. Para germinar com qualidade, precisa de atenção e cuidado, do contrário se perderão. A vida espiritual é um contínuo cuidado com as sementes que Deus nos deu. Para uma vida feliz e harmoniosa, é preciso ter consciência de quem somos e de como está nosso interior. Os frutos a serem colhidos dependem das nossas escolhas e do amor com que os alimentamos. Semeamos para florescer. Eis a grande diferença!

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

A família de Jesus se define não por laços de sangue, mas pelo amor à vontade divina. Celebremos a presença de Deus entre nós, que acompanha nossos passos e os de nossas famílias.

Sejamos familiares de Jesus!

Não é a questão consanguínea que nos torna familiares de Jesus, mas é a intimidade com Ele e com o Pai. "E olhando para os que estavam sentados ao seu redor, disse: 'Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe'" (Marcos 3,34-35).
Jesus nos quer na Sua família, Ele está nos dizendo como deseja que sejamos familiares d'Ele.
A família representa acima de tudo, intimidade e proximidade. Quanto mais familiar a nós, mais próximo, mais íntimo, mais essa pessoa faz parte da nossa vida. Têm pessoas que nem fazem parte diretamente da nossa família, mas são tão familiares, tão chegadas, tão íntimas, elas têm tanta comunhão conosco, com a nossa vida, que as consideramos família.
Não quer dizer que deixamos a nossa família e agora consideramos os outros de fora como nossa família. Não é nada disso, é questão de comunhão com a vida, com aquilo que acreditamos, com a nossa intimidade, e isso cria respeito e reciprocidade. Com o Reino de Deus é desta mesma forma, não basta ter parentesco. Não é a questão consanguínea que nos torna familiares de Jesus, mas é a intimidade com Ele e com o Pai. Jesus está dizendo isso porque sua mãe é a pessoa mais próxima, mais íntima a Ele, porém nem todos os Seus familiares creem n'Ele, aderem as palavras d'Ele, por isso nem todos têm comunhão com Ele.
Podemos e devemos ter comunhão com Jesus, Ele quer que façamos parte da Sua família, Ele nos quer íntimos a Ele, juntos d'Ele. A nossa decisão de cada dia é fazer a vontade de Deus, é colocar em prática aquilo que aprendemos no Evangelho, na vida, nos ensinamentos de Jesus.
Cada vez que nos esforçamos, que morremos para nós mesmos para que Deus cresça em nós, para que a vontade d'Ele se realize em nós, mais íntimos e familiares nos tornamos de Jesus.
Sejamos a família de Jesus, porque Ele quer ser cada vez mais próximo de nós.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (23/01/18)

Existe um momento em que precisamos sair do ninho familiar para formar uma nova família. Isto exige coragem e generosidade. Avance! Naquele dia Jesus saiu de Nazaré, do meio de Sua família e foi para Cafarnaum, aonde Ele formou uma outra família de discípulos e de missionários. Chega um momento em que é preciso sair de casa, sair daquela zona de conforto, ir para além daqueles afetos costumeiros para criar o seu próprio ninho, para construir a sua própria casa. Não tenha medo deste momento, confie e vá em frente. (Mc 3,31-35)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Terça-feira da 3ª semana do Tempo Comum

A Igreja recorda hoje a memória da Beata Josefa Maria de Benigánim, virgem, +1696, do Beato Henrique Suzo, presbítero, +1366, dos Santos João Esmoler, bispo, +616 e Ildefonso, bispo, +667 e de Santa Emerenciana, mártir romana, +304.

Evangelho (Mc 3,31-35)

Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelaste os mistérios do réu reino aos pequeninos, escondendo-os aos doutores! (Mt 11,25).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, chegaram a mãe de Jesus e seus irmãos. Eles ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo. Havia uma multidão sentada ao redor dele. Então lhe disseram: "Tua mãe e teus irmãos estão lá fora à tua procura". Ele respondeu: "Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?" E olhando para os que estavam sentados ao seu redor, disse: "Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
A família tem um valor primordial para Jesus. Ele reconhece suas origens e não os menospreza por mais que a cena evangélica dê a entender isso. O novo conceito de família está ligado ao Reino, pois a missão de Jesus é atrair todos para o Pai, a fim de que se tornem uma única família. Fazer a vontade de Deus é participar da missão confiada a cada consagrado. Somos convidados a escutar o Mestre, sentar ao seu redor e lutar para que as famílias vivam sob o senhorio de Deus. A base de todos os relacionamentos é o amor e a fraternidade. Somos enviados ao mundo para promovermos a família, dom de Deus.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

O Senhor é minha luz e Salvação. O Senhor é a proteção da minha vida!

O maligno semeia a divisão entre nós!

A função do maligno é semear a divisão; é destruir o Reino de Deus; é colocar as pessoas umas contra as outras. "Se um reino se divide contra si mesmo, ele não poderá manter-se. Se uma família se divide contra si mesma, não poderá manter-se". (Marcos 3,25-26).
Quando as pessoas se dividem, elas se colocam umas contra as outras, e assim, começa uma verdadeira guerra, uma batalha, uma disputa, e aquilo que era para ser uma graça, uma bênção, aquilo que era motivo de união e comunhão, torna-se destroços.
Deus não quer a nossa família destruída, não quer a nossa casa destruída, pelo contrário, Ele quer a nossa família unida e salva. Não permitamos que as nossas famílias se dividam. Podemos ter divergências; pontos de vista diferentes; podemos não concordar em muitas coisas; ter atritos, conflitos, coisas divergentes que acontecem no seio de uma família; mas, ceder ao espírito divisor, colocar as pessoas umas contra as outras, é sinal de que o caminho da destruição está cada vez mais próximo.
Não precisamos ser iguais e nem concordar com todos igualmente. Quando pertencemos a uma comunidade, a uma igreja e as pessoas começam uma guerra de "gladiadores"- vivem se atacando; falam mal dos próprios irmãos da comunidade; dizem coisas horríveis da própria igreja; vemos de um lado fiéis falando dos padres; do outro lado: padres contra outros padres. Seja qual for a forma de divisão, ela é diabólica; e se nos colocamos uns contra os outros, começamos a nos destruir, o mal começa a entrar em nós. 
O Reino de Deus não se faz na uniformidade, pelo contrário, ele se faz na unidade; o Reino de Deus não se faz somente por pessoas iguais, ele faz com que todas as pessoas estejam unidas no Cristo. Olhamos para o nosso corpo e nem tudo é igual: mãos, pernas, braços, mas todos se ligam, todos fomentam a comunhão, que forma um único corpo. Pensemos: se houver algum momento em que: a mão se colocaria contra a perna, isso acabaria com a unidade do corpo. Não podemos ceder ao divisor, ao maligno, que quer dividir as nossas famílias, onde Cristo é a cabeça.  
A função do maligno é semear a divisão, é destruir o Reino de Deus, é colocar as pessoas umas contra as outras.
Quando cedemos, vemos as ruínas onde encontram-se as nossas casas, as nossas famílias, a igreja a qual pertencemos, porque o maligno nos quer divididos, porém, não seguimos a ele. Seguimos nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, que nos quer unidos a Ele. 
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

Minha verdade e meu amor estarão sempre com Ele!

#minisermao (22/01/18)

A palavra "diabo" significa "aquele que divide". É próprio do demônio e dos seus ministros criar conflitos, guerra e divisão. Os filhos da luz fazem diferente, na força e no poder do Espírito Santo congregam, unificam; como aconteceu no dia de Pentecostes, homens e mulheres de todas as raças, línguas, povos e nações começaram a se entender. O demônio agiu na torre de Babel, quando todos falavam a mesma língua e pela arrogância e o desejo de poder acabaram falando línguas diferentes. A linguagem do amor vem do Espírito Santo; a linguagem do terror vem de Satanás. (Mc 3,22-30)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Segunda-feira da 3ª semana do Tempo Comum

A Igreja recorda hoje a memória de São Vicente, diác., mártir, +304; São Vicente Pallotti, presb., fundador, +1850; Santo Anastácio, monge e mártir e Beata Laura Vicunha, v., +1904.
 
Evangelho (Mc 3,22-30)

Jesus Cristo salvador destruiu o mal e a morte; fez brilhar pelo evangelho a luz e a vida imperecíveis (2Tm 1,10).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, os mestres da Lei, que tinham vindo de Jerusalém, diziam que ele estava possuído por Beelzebu, e que pelo príncipe dos demônios ele expulsava os demônios.
Então Jesus os chamou e falou-lhes em parábolas: "Como é que Satanás pode expulsar a Satanás? Se um reino se divide contra si mesmo, ele não poderá manter-se. Se uma família se divide contra si mesma, não poderá manter-se. Assim, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide, não poderá sobreviver, mas será destruído. Ninguém pode entrar na casa de um homem forte para roubar seus bens, sem antes o amarrar. Só depois poderá saquear sua casa. Em verdade vos digo: tudo será perdoado aos homens, tanto os pecados, como qualquer blasfêmia que tiverem dito. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca será perdoado, mas será culpado de um pecado eterno". Jesus falou isso, porque diziam: "Ele está possuído por um espírito mau".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
BLASFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTO - A acusação que os escribas fizeram a Jesus é de extrema gravidade. Na avaliação deles, o Mestre estava possuído pelo demônio. E isto é considerado como uma blasfêmia contra o Espírito Santo, sem possibilidade de perdão. Por quê?
Toda a ação de Jesus desenrolava-se sob o impulso do Espírito Santo. O Mestre pregava e curava pelo poder do Espírito que recebera do Pai. A expulsão dos demônios resultava do mesmo poder. Jesus realizava gestos poderosos porque o Espírito de Deus habitava nele.
A blasfêmia consistiu em confundir o Espírito Santo com Belzebu. Declarar Jesus possesso significava dizer ser ele habitado pelo mau espírito, e assim, negar totalmente a obra que Deus realizava por meio de seu Filho.
A incapacidade de interpretar os fatos de maneira correta resultava não só da má vontade dos escribas em relação a Jesus, mas também em relação a Deus. Por desconhecer a pedagogia da ação divina, recusavam-se a reconhecer o dedo do Pai na ação de seu Filho. E se punham a fazer considerações inconvenientes a respeito dele.
Aos blasfemadores só restava um caminho para se tornarem objeto da misericórdia divina: reconhecer a presença de Deus na ação de Jesus, e confessar que, no Filho, a libertação divina acontecia na história da humanidade oprimida.

domingo, 21 de janeiro de 2018

Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, vossa verdade, me oriente e me conduza!

O Evangelho transforma a nossa vida!

O Evangelho tem o poder transformador e renovador que o mundo tanto necessita. "O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!". (Marcos 1,15).
Muitos de nós perguntamos onde o Reino de Deus vai chegar, onde o Reino de Deus vai se estabelecer no meio de nós. A verdade é que o Reino de Deus já está no meio de nós, ele está próximo de nós. O Reino de Deus é construído a cada dia por cada um de nós.
Jesus instaurou no meio de nós o Reino de Deus e nos aproximou, colocou-nos dentro dele. Mas, para entrar no Reino de Deus é preciso se converter, mudar a mentalidade, a cabeça, os nossos pensamentos e, muitas vezes, as nossas próprias convicções.
Com a mentalidade mundana, com as coisas do mundo, não conseguimos aderir ao Reino de Deus, por isso é necessário crer no Evangelho. E para tal, não é simplesmente dizer "amém", mas é ter a convicção de que o Evangelho vivido e praticado na nossa vida faz o Reino de Deus acontecer.
O Evangelho transforma a nossa vida, as nossas famílias, as nossas casas, a nossa sociedade. Ele tem o poder transformador e renovador que o mundo tanto necessita!
Se olharmos para a história, veremos homens e mulheres ao longo desses mais de dois mil anos, que foram totalmente renovados e transformados, porque levaram a vida segundo o Evangelho.
No meio de nós, nos dias de hoje, encontramos tantas pessoas que são para nós testemunhas vivas de que o Evangelho faz milagres em nossa vida. Precisamos testemunhar isso para o mundo também, porém, se não nos convertemos, se apenas observamos o Evangelho, o achamos bonito e maravilhoso, isso não é suficiente para nos converter e transformar.
O convite de Jesus: "Segue-me" é feito a nós a cada dia, para nos tornamos Seus discípulos, para que em nossa vida o Evangelho seja praticado.
O Reino de Deus está vivo e presente no meio de nós quando nos convertemos. Quando aceitamos o Evangelho, o Reino de Deus acontece no meio de nós.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (21/01/18)

Para discernir sua vocação esteja no seu lugar de trabalho quando Jesus passar. Ele chama trabalhadores. Todos que Jesus chamou para serem seus discípulos estavam trabalhando, isto é uma coisa muito interessante, porque para discernir a vocação é preciso trabalhar. Certa ocasião um rapaz me disse que achava que tinha vocação para ser padre, porque não tinha emprego e nem uma namorada, eu disse: "Então procure um emprego, comece a namorar; quando você estiver ali no seu lugar Jesus talvez passe e te chame." Ele disse: "Mas eu não quero formar família e também não quero ter um emprego, quero me dedicar inteiramente ao Reino." Eu disse: "Jesus só chamou trabalhadores." (Mc 1,14-20)
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho do 3.º domingo do tempo comum!

A Igreja recorda neste dia 21 de janeiro a memória de Santa Inês. O nome Inês, em grego, significa "pura e casta". Para os historiadores, isto significa um sobrenome, que identifica Santa Inês, uma das mártires mais veneradas pela Igreja...

Evangelho (Mc 1,14-20)

O reino do céu está perto! Convertei-vos, irmãos, é preciso! Crede todos no evangelho! (Mc 1,15).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: "O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!"
E, passando à beira do mar da Galileia, Jesus viu Simão e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores.
Jesus lhes disse: "Segui-me e eu farei de vós pescadores de homens".
E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus.
Caminhando mais um pouco, viu também Tiago e João, filhos de Zebedeu. Estavam na barca, consertando as redes; e logo os chamou. Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.